Cuti-Cuti

4 Comentários

Bom dia, moreco-pimpão! Quem é o cajuzinho-Xtudo, mozão-mais-cuti-cuti da minha vida, hein?, mandou ela por whatsapp. Interrompendo a reunião dele. Não satisfeita, tratou logo de acrescentar dúzia e meia de carinhas sorridentes. Mais vinte coraçõezinhos. Vinte, não. Trinta. E um golfinho ao final. Pronto. Agora, sim. E aguardou. Até que ele leu. Mas responder que é bom, nada. Sendo assim, voltou à carga.

Continuar Lendo »

O Mala

6 Comentários

Com certeza, não foi uma boa ideia. Mas era tarde. Fazer o que, se já estavam lá.

Fileira C. Poltronas doze e treze, respectivamente. Ela, de longo. Ele, de tênis. Sentados e assistindo. Bom. Ao menos, ela. Sem perder um agudo que fosse. Enquanto que ele não parava um só minuto. Num mexe e remexe daqueles. Incomodando meio mundo.

_Que comichão é esse? – ralhou ela.

_Tô procurando o controle? Queria dar uma zapeada

_Tá doido, é? Por acaso acha que está onde? Isso é um teatro, homem! Eu, hein…

_É que não gostando muito dessa programação. Achei fraquinha…

_Fraquinha estou eu. E é da cabeça! Que não sei onde estava quando fui inventar de trazer você aqui…

_ E o som ruim demais! Não dá pra entender uma palavra do que dizem.

_Desde quando você fala italiano?

_Chame alguém, ande! Mande mexer no áudio. Ou pôr legenda. Que está me dando uma agonia daquelas.  E por falar em agonia, lá vêm eles cantando de novo…

Pareceu ter quietado. Por três longos minutos. Foi quando começou a assobiar.

A reação dela foi imediata. Num cutucão fenomenal. Praticamente um semicoice.

_Credo! – reclamou ele, que inventou de perguntar _ Será que cai?

_Quem?

_O Vasco, ué? Que horas são? Se perder hoje, já era. Matematicamente rebaixado. Sem choro nem vela…  

O shhhhhhhhhh veio de trás. Fileiras D, E ou F. Difícil precisar a fonte.

Ela encolheu. Virou tatu-bolinha. Ele nem fez conta. Seguia aborrecido e perturbando. Mais que nunca. Tamborilava alto. Estalando os beiços. Chacoalhava o corpo e a poltrona ia com ele. Fazendo o contraponto.

Novos olhares. Ela choraminga.

_Dá pra sossegar? Você é impossível!

_E você é uma lindinha! – retrucou o sonso _ Agora, aproveite o elogio e busque uma cervejinha pro papai.  Tô precisando muito molhar o bico, viu?

_ Isso aqui não é boteco, não! É lugar fino, criatura…

_Já vi tudo! Não tem breja na budega

_Jesuisssss…

_ Bom pra aprender. Da próxima vez trago de casa. Um isopor cheinho assim…

Outro shhhhhhhhhh. E esse tinha nome, sobrenome e bico torto. Sem falar que vinha de todos os lados. 

_Viu, só? Tá feliz?

_ Se ao menos cantassem mais baixo. Ainda se fosse um pagodinho… 

_Desisto de você!

Debandou pro lado dela. Cheio de dedos e de graça _ Desiste não, pintinha

_ Você não tem jeito…

_Prometo que volto bonzinho.

_Volta? De onde?

_Do banheiro. Que tô aperreado. Fale pra galera dar um pause – bem quando tocou o telefone _ Carlão? E aí, meu brother!

O desconforto foi geral.

E ele tentou explicar _ Gente, é o Carlão…

_Mas será o Benedito? – insurgiu-se ela.

Quando começaram a acreditar numa trégua humanitária, surgiu ele de novo.

_ vendo algum garçom por aí? 

_Hein???

_Esquente não, que vou buscar. Que prefere? Fritas? Linguicinha? Ih… Que cara é essa? Se queria pastel, era só falar…

_ Quer saber? Cansei. Pra mim, chega!

E catou sua bolsinha, decidida a partir.

Foi a vez dele interpor recurso.

_Peraí. Peraí. Que essa eu conheço – e soltou a voz no mundo _ Funiculí, Funiculá. Funiculí, Funiculáaaaaaa…

?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Coisas de Casal

Deixe um comentário

_ Precisamos conversar – era ela. De novo.
_Sei.
_É bom saber, mesmo! O trem tá feio pro seu lado. E não pense que vai me levar no bico. Não dessa vez!
_Huhum.
_Huhum, vírgula, Sr. Luiz Alfonso Ornellas e Bragança.
_ Que foi agora? Eu é que não fiz nada.
_Ah! Como vai, Senhor Nunca Faz Nada? Começava a sentir sua falta – respondeu, atrevida.
_Ai. Ai – resmungou ele, tentando fugir ao cerco que apertava.
_ Ai. Ai. O quê?
_ O que, o quê?
_ Eu é que pergunto. Quiéquitá pegando, hein? Fale. Mas abra o peito. Sem medo de ser feliz.
_Quer saber? Nada.
_Como assim, nada?
_Nada. E ponto final. Sei muito bem como isso termina. Então, não conte comigo. Se quiser: F-A-L-E S-O-Z-I-N-H-A!
Disse isso e saiu. Ela precisaria correr, caso quisesse continuar brigando.
_Por que tem que ser assim? Do seu jeito. Sempre – ela ainda tentou esticar.
De retorno só a melodia que ele assoviava. Baixinho.
_Não faça isso, está me ouvindo?
Não. Ele não estava. Ou até estava. Mas jamais assumiria. Coçou as costas, trocou o pijama e passou através dela, procurando algo para ler (tinha sempre uma revista à mão, estrategicamente posicionada, pra situações de perigo como essa).
_E a gente? Fica como? – insistiu ela. Esvaziando, pouco a pouco _ Depois de tudo, acho que você nem liga mais pra mim _choramingou, ressentida.
_Sabe o que eu acho? Que é hora de dormir. Depois a gente fala. Prometo.
_ Como prometeu ontem. E antes de ontem. E antes de antes de ontem. Não, meu amigo. Muito obrigada. Não vou dormir. Mesmo se quisesse. Não posso. Não consigo. Nem em séculos – catou de lado seu travesseiro (aquele bem molenga, de infância) e marchou resoluta, rumo ao quarto ao lado.
_Dorme você. Vou zanzar por aí. Ver se esfrio a cabeça. Tô brava demais pra parar. Magoada demais pra parar. Mas quem liga, não é mesmo? – teve ainda tempo prum último beicinho _ E daí, se nem vou pregar o olho? E daí, se amanhã começo cedo? E daí, se nem sei mais avaliar o tamanho do estrago. O quanto dói. Ou incomoda (fungou). Culpa minha, eu sei. No final é tudo, sempre, culpa minha.
Ele ouviu quando a porta bateu. Decidido a não mover um dedo. De jeito nenhum. Nem por decreto. Também, pudera. Quem mandou escolher uma mulher assim? Tão difícil e empacada. Agora, aguente. O pior é que ela sempre foi assim. E não muda. Nunca. Raios! Bufou e Revirou. Mais uma vez. Uma magrela-mandona, isso sim é o que é. Com mais vontade que bunda. A mesma, depois de todos esses anos. Sem tirar nem pôr. Ah, essa danada…
Riu. Pronto. Ferrou tudo. Sabia que iria ao resgate. Afinal, não havia motivo. Nem culpa. Sabem como é. Dia de cão. Quando tudo dá errado (nada haver com ela, mas a gente fica mexido). E, quando viu, estava no jeito, virado no avesso do capeta.
Imaginou a pobre. Amarfanhada num cantinho. Rodando de lá pra cá. Amuada. Chorando, até. Triste pelo colo que faltou. Pelo mimo, que ele (o monstro), não teve saco de dar.
_ Olhe, benzinho – disse ele, baixinho, enquanto abria a porta, ressabiado.
Mas ela já dormia. E roncava. Boca aberta e tudo. Cabeça despencando pra fora da almofada.
Não ia dormir, né? Nem em séculos. De jeito nenhum. Sei. Tá…
Não tinha nem sombra de dúvida. Depois de todos esses anos, ela continuava a mesma. Sem tirar nem pôr. Ah, essa danada…