Você vem?

7 Comentários

Primeira vez é osso. E ele tinha pressa. Então, nem esperou muito e foi logo marcando um hotelzinho no centro, mesmo. No dia combinado, compareceram os dois.

Se bem que ela, ressabiada, saiu botando reparo em tudo. Da idade das colchas ao encardido do assoalho. E avisou, Por sorte, vim preparada. Melhor que isso: preparadíssima!, sacando dum par de luvas amarelas de látex, ideal pra limpeza pesada. Mais escovas sanitárias e desentupidor. E, sentada ao chão, pôs-se a esfregar.

Continuar Lendo »

Marré-Marré-Marré

Deixe um comentário

Chegava a ser esquisito. Toda segunda. Às dez e quinze em ponto. Cem reais. Guichê três da Lotérica Sorte Grande. E a semana não era a mesma se não apostasse. Não, senhor. Tinha que ser na sena, ouviu bem? Que não era sujeito de se render a esses trololós de raspe e ganhe.

A caneta eram outros quinhentos.  Ponta fina. Preta. No bolso esquerdo da calça.  Daí mordia a tampa seis vezes. Três para cada lado. Benzia a testa. Estalava a língua. E, finalmente, ungido das dezenas mágicas, riscava os volantes. No ritual de sempre: jogar, ganhar, perder, continuar.

Continuar Lendo »