Doida, eu?

6 Comentários

Era uma vez um moço. E uma moça. Que decidiram namorar.

O início até foi fácil. Enquanto ele era um só. E se chamava Leonardo. O sufoco veio depois. Quando virou dois.  Aí sim, a história começou a complicar.

_Pensa que estou brincando? Falo sério! – reclamou ela a uma amiga

_Cuméquié?

_Juan Ramón…  Já viu isso? – mas num heroísmo típico de mulher apaixonada, abrandou _ Sei que não bebe. Nem rouba. Mas dupla personalidade? Tenha a santa paciência…

Até o dia em que ele, Leonardo, ligou mais cedo pra ela. Intimando.

_Acabou a moleza! Uma corridinha no parque é tudo que precisamos.  Pode ser? Passo aí em meia hora – e desligou.

Restou a ela pular da cama e se arrumar. Tênis. Legging. Top. E o cabelo prendeu firme num rabinho. Mas quando abriu a porta foi Juan Ramón quem foi entrando e sugerindo um programa diferente.

_Vine a busca-la, mi amor, para que caminemos juntos em la playa. Ven conmigo, princesa…

Que mulher resiste a um convite assim? Com ela não foi diferente. Sumiu quarto adentro, retornando algum tempo depois. Leve e solta. De rasteirinha nos pés e canga amarrada ao pescoço.

Enquanto isso, apoiado na mesa da sala, Leonardo alongava.

_Tá doida, mulher? Que trajes são esses? Vá se arrumar. Ande. Eu espero… É cada uma…

E caminho da roça pra moçoila, que destrocou tudo de novo, reaparecendo em seguida. Surpreendida por um cheiro bom de refogado que vinha lá da cozinha.

_Escucha, corazón  – disse Juan, enquanto lhe afagava os ombros_ Quiero quedarme aquí con usted. Disfrutando de una buena bebida, una canción y la comida que preparé solamente para ti…

Ela bem que gostou da ideia. Foi correndo descalçar e num zás-trás estava de volta.

_Ainda não tá pronta? – admirou-se ele. O Leonardo, é claro. Quem mais? _ Treino que é bom, nada, né?- e alfinetou _ Já ouvi fala em gente enrolada, mas você se superou…

Bastou para ela. Que fugiu. Desembestada. Para nunca mais voltar.

De lembrança não quis nem foto. Restou ele. Inconformado.  E uma caixa postal abarrotada que ficou para trás por deletar.

_Hola, es Juan Ramón. Cade usted?…/ Sin ti voy a morir. Quieres casarte conmigo?…/ Me compré un gato para nosotros. Regressa, mi vida, por favor!…/ Oi, é o Leonardo. Apareceu um gato aqui em casa. Só pode ser coisa tua. Melhor vir buscar rapidinho. Tô avisando… / Corazón, el gatito desapareció. Pero no te preocupes , voy a comprar um buldogue para nosotros…/ Mas cê é destemperada, mesmo, né?! Cachorro, agora? Dou dez minutos pra voar com ele daqui. Ou senão… /Preciosa, el perrito también sumió. Pero tengo una idea: voy a comprar una cabra, algunos periquitos y una pareja de chimpancés. Te amo mucho!…/ Ô, sua maluca! Tá achando que minha casa é o rancho da sogra, é? Vou te delatar pro Ibama, sua doida varrida! Pro Ibama, ouviu bem????…

Doida, eu?

6 comentários sobre “Doida, eu?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s